Eurostar: de Paris a Londres de trem

14 de Janeiro de 2016 | Por Paula B
Urban Cone - Urban Photograph

Depois de curtir uma semana em Paris, seguimos viagem para Londres no trem Eurostar. Foi a minha primeira viagem de trem na vida! E olha, uma pena esse meio de transporte não ser popular aqui no Brasil, pois eu achei tão bom!

Eurostar

O trem partindo da Gare Du Nord

Comprei as passagens com uns 3 meses de antecedência no próprio site da Eurostar. Quanto mais perto da data de compra, mais caro ficam os tickets, então é bom se programar. Início da manhã, final do dia, domingos a tarde, segundas e sextas feiras também são mais caras por terem maior procura, então escolhi um ticket as 13h10 de uma quinta-feira, que saia mais barato. Levei os tickets impressos de casa e não tive nenhum problema.

Fizemos o checkout do hotel e pegamos um taxi até a Gare Du Nord, a estação de onde os trens da Eurostar partem em Paris. Não seria difícil chegar lá de metro, mas como estávamos com as malas preferimos pegar um taxi. Chegando na estação, fomos seguindo as placas para achar o embarque internacional, que ficava no mezanino. O check-in para as viagens de trem tem que ser feito com apenas meia hora de antecedência, e foi basicamente passar a passagem num leitor de código QR. Nas viagens de trem, a imigração é feita antes da viagem, então passamos por ela ainda em Paris – a fila não foi muito demorada e o oficial britânico foi super simpático (super recomendou que fossemos a Brighton, pena que não deu tempo). A saída do trem é pontualíssima.

A franquia de bagagem é parecida com de aeroportos – ao menos no Eurostar você pode levar duas malas de até 85cm cada, mais uma mala de mão, mas não tem limite de peso para elas. Nós tínhamos uma mala grande e uma de mão cada um, pois nos trem a bagagem vai junto com o passageiro. Esse é o único inconveniente na minha opinião – não dá pra levar a mesma quantidade de bagagens que você levaria numa viagem de avião, afinal você tem que ser capaz de carregá-la (ou ao menos arrastá-la) pelo caminho – e não há carinhos de bagagem a disposição. Nos trens, as bagagens de mão vão acima dos assentos e as bagagens grandes ficam em racks no fundo dos vagões. E sim, você pode deixar sua mala sozinha lá no rack durante a viagem que ninguém vai mexer nela.

Eurostar

Por dentro da classe Standard do trem

A viagem entre Paris e Londres dura só 2 horas e 15 minutos e os trens são bem mais confortáveis do que a classe econômica dos aviões, muito mais espaçosos! A paisagem não é lá muito interessante – apenas verde e mais verde, campos sem fim e de vez um quando algum micro vilarejo. Não dá pra ver nada do lado de fora quando se está no Eurotunel (o túnel embaixo do mar que liga o continente com a Grã-Bretanha). Não há serviço de bordo na classe Standard, que foi a que compramos, mas tem um vagão restaurante disponível, que eu nem cheguei a ver. Outras classes mais caras tem serviço de bordo, mas numa viagem tão rápida não vejo motivo para pagar mais euros por isso.

Pouco mais de duas horas depois, chegávamos a estação de  St. Pancras, em Londres. Eu me lembro de uma sensação de alivio tão grande ao desembarcar na Inglaterra que é até engraçada – como se lá fosse o meu país. Isso só pelo fato de que lá todas as placas estavam em inglês! Eu sabia que poderia falar com qualquer um que a pessoa iria me entender. Em Paris, apesar de não ter tido nenhum, nenhumzinho problema com o idioma, dá sempre aquela apreensão de não entender alguma coisa né? Na própria estação de St. Pancras paramos para comer um lanche e eu já fiquei feliz só de olhar a placa da lanchonete e conseguir entender tudo que tinha no cardápio (a lanchonete era o Benugo e os lanches são uma delícia!).

Aproveitamos que estávamos em St. Pancras e compramos nossos Travelcards da National Rail. O Travelcard é um dos bilhetes para uso no transporte de Londres (assim como o Oyster), mas a diferença é que essa versão da National Rail dá desconto em várias atrações da cidade – você compra um ingresso e ganha outro. Se quiserem saber mais sobre isso conto em outro post.

A estação de St. Pancras fica anexa a estação de metrô de King’s Cross (onde tem a plataforma 9 3/4 da história do Harry Potter e que eu não fui!), mas novamente, como estávamos com as malas, pegamos um taxi para o hotel – o primeiro desafio em Londres: entender de que lado da rua devíamos pegar o taxi, que o motorista não ia sair do carro para ajudar a gente com as malas e que elas vão dentro do carro junto conosco, não tem porta-malas!

Em Londres ficamos hospedados no Ibis Styles London Kensington, que fica em uma rua bem em frente a estação de Earl’s Court, aquela que tem a Tardis bem na porta. Assim como o hotel de Paris, também recomendo esse – preço bom para Londres, perto do metro e precinho amigo, mas um quarto minúsculo.


Tem 6 pessoas falando sobre o post "Eurostar: de Paris a Londres de trem"


  • Ah Paula, você que mora em São Paulo recomendo a viagem de trem da Luz até Paranapiacaba, não lá um EuroStar mas a viagem é uma delicia… Mas tem que comprar com muita muita antecedência.
    Esta é a primeira que leio sobre o eurostar de modo tão detalhado, sensação que eu tive lendo é que familiaridade…. Pena que no Brasil, realmente não é popular este tipo de viagem, eu só iria pra são paulo de trem hehehe

    Um beijo

  • Vy disse:

    Vou pegar esse nas minhas férias! O busão é muito mais barato, mas eu não confio de ir sozinha -sendo mulher e talz =/. Deve ser a mesma sensação de andar de trem bala no Japão <3 O esquema da mala era parecido (na verdade não tinha rack pras malas, você tem que dar sorte de não ter mais gente com mala no vagão pra deixar as suas atrás dos últimos assentos).

    Vou postar sobre Brighton em breve, pois fui durante o break do fim de ano! Não perdeu nada, HAHAHA!

    Aquele letreiro do today I love you é bem de frente pra Amsterdam Centraal, não tenho idéia de quem tenha posto ali, mas é só mais uma coisinha pra se apaixonar pela cidade <3 Btw, a viagem de bus dá umas 12h Londres Amsterdam, se for atravessar de trem. De balsa, depende do clima…

    • Paula B disse:

      Não esquece de comprar a passagem com antecedência pq sai bem mais barato! Eu esperava uma sensação como de andar de avião, mas achei meio que a mesma coisa que o metrô! Como não tem muitos pontos de referência na paisagem, nem dá pra perceber a velocidade.

  • Ana disse:

    Engraçado como a gente teve experiências super diferentes viajando de trem partindo de Paris! Hehe.
    Eu fui de TGV-Lyria pra Suíça, saindo da Gare du Nord mesmo e não tive que passar pela imigração ou fazer check-in. Também não tínhamos limite de bagagem, era tudo liberado.
    Deve variar de empresa para empresa e depender da imigração do país de destino, né?

    Tb sempre me pergunto porque a gente não tem trem para viajar por dentro do Brasil, é tão prático.

    • Paula B disse:

      Isso mesmo Ana, o check-in depende da companhia de trens (que eu saiba só a Eurostar e AVE que fazem) e você não passou pela imigração pois viajou dentro do espaço Schengen, então não tem controle de fronteira. Mas mesmo assim, ainda é bem mais prático do que avião!

Pin It

No Instagram 📸 @paula_belotti

No Youtube